On the Streets

 

/ en + pt /

 
 

" Then, just like a hypnotist's snap of the fingers, I reqained consciousness and suddenly felt an incredible force pulling my neck forward."

 
 

/ en /

Jet lagged but wide-eyed, I scurried along rua Barata Riberio, the main avenue in Rio de Janeiro's infamous beachside suburb of Copacabana. It was a Friday night at 8pm filled with people and my two friends, heavily engrossed in conversation, sped along ahead of me. Trying to close the growing gap between us using my Tokyo subway tactics, I let down my guard, and, subsequently, the tight grip on my favourite pink leather handbag.

The next moment, everything around me went dark and silent as if my energy source had a short-circuit. Then, just like a hypnotist's snap of the fingers, I regained consciousness and suddenly felt an incredible force pulling my neck forward. My body resisting like a concave BBQ prawn, I realised I was now in a tug of war over my handbag with two young men. My initial thought was to kick the one in front's groin. But what if I missed? Reluctantly, I released my thin leather strap between us and fell to the ground, losing my balance. My silk scarf slowly waved past me in the air like a white flag in defeat. I had been mustering up that incredible strength from within to fend for myself and all my energy was spent. Within seconds, the culprits disappeared.

People yelling incomprehensible phrases gathered around and filled my previously empty peripheral vision. Through my Portuguese-speaking friends, the witnesses explained the two thieves had spotted me several blocks away and followed along surreptitiously. But no one warned me, and the mugging unfolded like a scene from a Brazilian telenovela. Apparently, as soon as the crowds had thinned, one guy had grabbed me from behind holding my arms down by my side. Distracted and unable to move, the other tried to grab my bag. Natural instinct must have kicked in then when my high-pitched scream alerted my friends who were several metres ahead.

An apartment doorman who was just metres away from where the incident occurred finally spoke up. He told me he could only look on in hope that I wouldn't get hurt - there are few heroes in Brazil who step forward in incidents like these for fear of being killed themselves. Deeply shaken, with my two friends in tow, I limped towards Copacabana police station, my sandals having broken during the scuffle.

Ignored upon entry, we proceeded to wait an hour while the police on duty unashamedly made weekend party plans, oblivious of my fury. The louder I spoke in an effort to be heard, my voice echoing in the cold concrete foyer, it became apparent that the offence wasn't worth reporting. I had become that all-too-common stupid 'gringa' who despite travel warnings had just been robbed of my quintessential tourist belongings: brand new nikon camera, newly released iPhone 5, and much-loved leather wallet filled with freshly exchanged hard cash. As an experienced traveller I was so angry with myself. To get rid of three babbling upset girls, the police dismissed us by promising to send in the army to get my belongings back if we could indeed spot them using 'find my iPhone'(an app that allows remote location-tracking of Apple devices). Naively, we rushed back to my laptop at the apartment to get on the case. We approached the UPP (pacification police unit) stationed at the entrance of Vidigal (the pacified favela I was living in), with this newfound evidence but was ignored. They were too busy focusing on the local football match screening on the TV in the bar across the road. Satellite screenshots as proof of the mugging, we could see the perpetrators had been loitering near the underpass of a highway cross-section which looked to be like an open field with blue tarpaulin tents in Estácio (a suburb at the foothills of several unpacified favelas; one of many areas notorious for gangs and drug lords with no police presence). Back on the phone, the policeman now changing tactics suggested I, a foreign female with virtually no Portuguese skills, to go and find the thieves by myself then call for backup, of course using a public phone booth, at midnight. Despondently, I hung up.

Then my other friends' phone rang. Despite the muffled connection we could clearly hear young guys bragging about a cool camera, phone and cash they had just ripped off a tourist (me) on what sounded to be like a bus. Unbeknown to the thieves, the phone had automatically dialled the number I had entered in case of emergency to the GPS tracker. The bargaining of stolen goods continued with the mention of both their names.

In my last effort to achieve justice, I went to the Tourist Police Station the following morning in Leblon at the suggestion of a friend. They did eventually file a police report which took four painful days and five different questioning sessions. By the time I had flipped through the eighth mugshot folder and was just about to give up, I stumbled upon a face that sent shivers down my spine. I had found the culprit. By this stage I knew I wasn't going to get my things back. Yes, I had travel insurance. But it wasn't about any of that anymore. It had turned into something so much more. If I could perhaps help get two delinquents off the street, it was better than doing nothing.

During my time living in Rio, I witnessed firsthand the deep cracks in the system the local community faced. Six months after the incident, there were a few absolutely horrific cases of rape, muggings, and torture of tourists that even made the international news. Simultaneously, I heard about all the the alleged police corruption which in some cases were more criminal, blurring the lines.

Just as I was wondering whatever came of the case, I received a friend request on Facebook from an undercover Tourist Police officer who had desperately wanted to know whether I had been maliciously assaulted during the mugging. Unsurprisingly, there were no official reports filed properly. Annoyed, I recounted the incident pinpointing the clear fact that I resisted the attack, but the boys chose not to hurt me. As their desperate faces flashed before me, ironically, I was trying to protect the guilty from being falsely accused of heinous crimes. I never heard the verdict but felt I finally had closure.

Soon after riots erupted all over the country, marking a significant stance against injustice and corruption. With social media as a communication vessel I was 'invited' to join several protests. Having personally experienced the problems with the system, I now felt as close to Brazilians as I probably will ever get, desperately wanting to stand strong together with them. As these protests continue a year later, I can only pray in hope from afar that the people revolting against the government will be finally heard before too much further damage is done. For beneath the glitz of Rio's parties and international sporting events lies an underbelly of corruption so deep no one knows how to untangle the mess. But despite its many flaws and dangers I will continue to visit Brazil, becoming a little more street-wise with every trip.

**

 

 

" Então, com a mesma sensaçõ de estar acordando de uma hipnose, recuperei a consciência e, de repente, senti uma força incrível que puxava o meu pescoço para a frente. "

 
 

/ pt /

Mesmo cansada devido à diferença de fuso horário, eu corria pela rua Barata Ribeiro, a principal avenida do infame bairro carioca de Copacabana, com os olhos arregalados. Eram oito horas da noite de uma sexta-feira, havia gente por todo lado, e duas amigas minhas, absortas em conversa, caminhavam à minha frente. Ao tentar evitar que nós nos separássemos, usei uma tática que costumava usar no metrô de Tóquio, o que fez com que eu me distraísse e, consequentemente, esquecesse de seguar firme a minha bolsa de couro rosa favorita.

Em um momento, tudo ao meu redor ficou escuro e em silêncio, como se eu tivesse sofrido um curto-circuito. Então, com a mesma sensaçõ de estar acordando de uma hipnose, recuperei a consciência e, de repente, senti uma força incrível que puxava o meu pescoço para a frente. Meu corpo, dobrado como um camarão, resistia, quando percebi que estava fazendo cabo de guerra com dois homens, e minha bolsa era o cabo. Por um instante, pensei em chutar a virilha de um deles. Mas, e se eu errasse? Com relutância, soltei a alça de couro fino da bolsa e, perdendo o equilíbrio, caí no chão. Meu lenço de seda flutuou lentamente no ar como uma bandeira branca de derrota. Eu tinha usado toda a minha força para me proteger, o que acabou com minha energia. Num piscar de olhos, os culpados tinham desaparecido.

Pessoas que gritavam frases incompreensíveis se reuniram ao meu redor e taparam a minha visão periférica. Por meio de meus amigos que falam português, as testemunhas explicaram que os dois ladrões tinham me visto há vários quarteirões de distância e estavam me seguindo. Mas ninguém tinha me avisado, e o assalto aconteceu como se fosse uma daquelas cenas das populares telenovelas brasileiras. Aparentemente, assim que a multidão tinha se dispersado um pouco, um rapaz me agarrou por trás, prendendo meus braços ao lado do meu corpo. Enquanto eu estava distraída e sem poder se mexer, o outro tentou agarrar a minha bolsa. Meu instinto natural deve entrado em ação em seguida, pois o meu grito estridente alertou os meus amigos que andavam vários metros à frente.

Um porteiro que estava a poucos metros de onde ocorreu o incidente me disse que ficou olhando tudo acontecer na esperança de que eu não fosse machucada. Com medo de serem mortos, há poucos heróis no Brasil que se arriscam em situações como essa. Profundamente abalada, e com minhas duas amigas a tiracolo, fomos para a estação de polícia de Copacabana mancando, já que minhas sandálias tinham quebrado durante a briga.

Ao chegarmos na estação de polícia, fomos ignoradas, e tivemos que esperar por uma hora enquanto o policial de plantão descaradamente planejava as festas do fim-de-semana, fingindo nao perceber o meu estado de fúria. Quanto mais alto eu falava, num esforço para ser ouvida, mais minha voz ecoava na sala de concreto frio, e parecia evidente que não valia mesmo a pena registrar o assalto. Eu tinha me tornado mais uma daquelas 'gringas' estúpidas que, apesar das advertências, teve os pertences turísticos roubados: uma camara Nikon nova em folha, o recém-lancado iPhone 5, e aminha adorada carteira de couro com meu suado dinheiro, que havia recém trocado. Por ser uma viajante experiente, eu estava muito irritada comigo mesma. Para se livrar de três moças tagarelas e irritadas, a polícia nos dispensou com a promessa de enviar o exército para recuperar meus pertences se pudéssemos de fato localizá-los usando o 'Find My iPhone' (um aplicativo que permite a localização de rastreamento remoto de dispositivos da Apple). Ingenuamente, corremos de volta ao meu apartamento para iniciar a investigação. Abordamos a UPP (Unidade de Polícia Pacificadora) que estava na entrada do Vidigal (favela pacificada onde eu estava morando) com novas informações, mas fomos ignoradas. Eles estavam muito ocupados assistindo ao jogo de futebol local na TV do bar no outro lado da rua. Com as fotografias de satélite em mãos, pudemos ver que os ladrões estavam perto da passagem inferior de uma seção transversal da estrada, que parecia com um campo aberto com tendas de lona azul no Estácio (um bairro no sopé de várias favelas não pacificadas; uma das muitas áreas notórias por gangues e traficantes, sem a presença da polícia). De volta ao telefone, o policial então mudou de tática sugeriu que eu, uma mulher estrangeira com pouco conhecimento do idioma, procurasse os ladrões por conta própria para, então, pedir reforços usando um telefone público à meia-noite. Lógico. Triste, desliguei.

Então o telefone de minha outra amiga tocou. Apesar da conexão ruim, podíamos ouvir claramente rapazes falando sobre uma câmera legal, um telefone e algum dinheiro que tinham acabado roubar de uma turista (eu). Parecia que eles estavam em um ônibus. Sem os ladrões saberem, o telefone tinha discado automaticamente o número que eu havia selecionado em caso de emergência no rastreador GPS. A negociação da mercadoria roubada continuou com a menção dos nomes dos dois delinquentes.

Em um último esforço em busca de justiça, fui para à Delegacia do Turista na manhã seguinte, no Leblon, por sugestão de um amigo. Depois de quatro dias horríveis e cinco interrogatórios, eles acabaram registrando uma ocorrência policial. Quando eu já tinha terminado de folhar a oitvava pasta com fotos de assaltantes e estava prestes a desistir, me deparei com um rosto que me causou arrepios na espinha. Eu tinha encontrado o culpado. A essa altura, eu sabia que não recuperaria minhas coisas. Sim, eu tinha seguro de viagem, mas a questão não era mais essa. Ela tinha se tornado algo muito maior. Se eu pudesse, talvez, ajudar a tirar dois delinquentes da rua, seria melhor do que não fazer nada.

Durante o tempo que morei no Rio, testemunhei em primeira mão as grandes falhas do sistema que afligiam, e ainda afligem, a comunidade local. Seis meses após o incidente, houve casos absolutamente horríveis de estupro, assalto e tortura de turistas no Rio, os quais repercutiram internacionalmente. Ao mesmo tempo, ouvi muito sobre a suposta corrupção policial.

Certo dia, quando me perguntava o que teria acontecido no final das contas, recebi um pedido de amizade no Facebook de um policial disfarçado da Polícia Turística querendo saber se eu tinha sido agredida durante o assalto. Como esperado, os relatos oficiais não haviam sido arquivados corretamente. Irritada, contei novamente o incidente destacando o fato de que eu tinha resistido ao ataque, mas que, mesmo assim, os delinquentes não tinham me machucado. Eu podia ver seus rostos desesperados e, ironicamente, eu estava tentando proteger os culpados de serem falsamente acusados de crimes hediondos. Eu nunca soube o veredito final, mas senti que finalmente o caso estava encerrado para mim.

Logo em seguida, tumultos eclodiram em todo o país, marcando uma posição significativa contra a injustiça e a corrupção. Com a mídia social agindo como meio de comunicação, fui 'convidada' a me juntar a vários protestos. Por ter experimentado em primeira mão os problemas com o sistema, eu me sentia tão perto dos brasileiros como eu provavelmente nunca mais vou me sentir, e queria apoiá-los com todas as minhas forças. Com esses protestos ainda acontecendo, só posso torcer de longe, na esperança de que o povo finalmente seja ouvido antes que mais estrago seja feito. Sob o glamour das festas do Rio de Janeiro e dos eventos esportivos internacionais, encontra-se o lado negro da corrupção, a qual é tão enraizada que ninguém sabe exatamente como acabar com ela. Mas apesar de suas muitas falhas e perigos, vou continuar a visitar o Brasil, tornando-me um pouco mais “esperta” com cada viagem.

**